terça-feira, 15 de junho de 2021

Mundos Malvados, o quinto volume da série Gideon Falls

 

Saiu dia 9 de Junho, pelas mãos da editora G. Floy Portugal, o quinto volume da aclamada série Gideon Falls, com  título "Mundos Malvados". Esta série, vencedora do Prémio Eisner para Melhor Nova Série de 2019, e que nos deixa num enorme estado de ansiedade durante a sua leitura, tem como autores duas grandes figuras que são considerados como a melhor equipa de Comics de sempre: Jeff Lemire e Andrea Sorrentino.

Eis a sinopse:

Depois da destruição alucinante do Celeiro Negro, os nossos heróis vêem-se espalhados pelo multiverso que este continha dentro de si! Enquanto Angie luta para sobreviver numa versão 1984, Clara está sozinha numa versão do faroeste, e o Padre Fred é um homem deslocado na Gideon Falls cyberpunk. E sabe-se lá onde aterrou Norton. Enquanto estes mundos parecem desmoronar, o Homem que Ri está sempre mais perto do que se pensa!










segunda-feira, 14 de junho de 2021

Patrulha Pata - O Filme

 

Os papás dos mais pequeninos que se preparem. Não há criança que não vá querer ver os seus heróis da Patrulha Pata no cinema. Estreia no dia 19 de Agosto.

domingo, 13 de junho de 2021

BDs da estante - 429

 


Quebra-Queixo é um anti-herói durão que trabalha para a Força Zero, um bando de super-heróis que combatem o crime na caótica cidade de Nova Fronteira, onde o caos. Criado em 1983 por Marcelo Campos, o Quebra Queixo tem cinco histórias da autoria de Octavio Cariello e Marcelo Campos.

Uma edição da Devir de 2008.


sábado, 12 de junho de 2021

Feiras do Livro 2021

 


Por esta altura do ano, andaríamos pela Feira do Livro de Lisboa, a ver as novidades literárias e as de banda desenhada. No entanto, devido à pandemia e tal como no ano passado, a 91.ª edição da Feira decorrerá mais para a frente, entre 26 de Agosto e 12 de Setembro. No Porto as datas serão as mesmas, apenas começando um dia mais tarde.

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Leitura de Gus, uma divertida viagem pelo faroeste

 

Uma das nossas leituras recentes foi este primeiro volume de "Gus", intitulado "Nathalie", editado em Portugal pela Gradiva. Esta obra de Christophe Blain, surpreendeu-nos pela positiva. Se por um lado, à primeira vista, os desenhos nos parecem um pouco estranhos, rapidamente interiorizamos aquele estilo caricatural em que as características físicas dos três protagonistas são exageradas. O cabelo ruivo espetado só dos lados, o nariz comprido quase a fazer lembrar o Pinóquio ou um queixo proeminente, são exemplos desse estilo do autor.

Quanto ao argumento, Blain leva-nos a uma viagem pelo faroeste profundo, onde não falta humor (negro), sarcasmo e uma linguagem por vezes um pouco devassa, por parte dos três amigos, que sendo bandidos, não deixamos de nutrir simpatia por todos ao longo das páginas. Um deles, é mesmo casado e pai de família, o que vai contrastar com os outros dois, sempre na tentativa de engatar belas mulheres. Mas isso não quer dizer que o casado também não se envolva em aventuras.

O livro lê-se com gosto, uma leitura divertida e agradável, onde vamos assistindo às aventuras de saloons, assaltos e tiros de revólveres, mas também às peripécias amorosas de Gus, que arrasta os amigos para os seus planos infalíveis.







quinta-feira, 10 de junho de 2021

Olhá as sardinhas lindas! - As 10 vencedoras

Este ano não foram cinco premiadas, mas sim dez as vencedoras do concurso das Sardinhas. E foi uma bela pescaria, quer dizer, uma bela escolha, de entre mais de 2600 oriundas de 42 países, pois todas elas são geniais, algumas focando vários temas actuais, como a Covid 19 ou a questão dos migrantes.

Não havendo exposição nem festejos dos Santos Populares, os fãs das sardinhas poderão pescá-las, em diversos locais onde, a partir de 12 de Junho, as vencedoras serão disponibilizadas ao público: 

Atelier-Museu Júlio Pomar, Museu da Marioneta, Museu do Aljube - Resistência e Liberdade, Museu do Fado, Museu de Lisboa - Palácio Pimenta, Museu de Lisboa - Santo António, Museu de Lisboa - Teatro Romano, Casa Fernando Pessoa, Museu Bordalo Pinheiro e LU.CA - Teatro Luís de Camões.

Os residentes de Lisboa poderão visitar gratuitamente, entre 10 e 13 de Junho, os museus, galerias e monumentos geridos pela EGEAC.














Peter Pan - Volume 5 - Gancho

 


Está quase a chegar ao fim esta fantástica série de Loisel, uma adaptação livre de Peter Pan, edição da ASA, em parceria com o jornal Público.
Neste quinto volume, de um total de seis (já nas bancas), fruto de um golpe certeiro de Peter Pan, o capitão perdeu a sua mão direita. Substitui-a por um gancho metálico e não pensa senão em descobrir o paradeiro do seu carrasco para lhe infligir a mais cruel das vinganças. Entretanto, Peter Pan e as outras crianças refugiam-se num antigo esconderijo no coração da floresta. Mas Peter, após uma noite atormentada e assombrada por pesadelos, desaparece subitamente. Terá provavelmente regressado a Londres. De facto, em Londres, o Sr. Kundal está moribundo e, num derradeiro suspiro, entrega a Peter dois presentes: o seu próprio tesouro, uma velha carta por abrir, e uma caixa, que contém um outro tesouro. O Sr. Kundal aconselha Peter a guardar ciosamente esta última, sem nunca a abrir. Mais tarde, já no país imaginário, o Capitão Gancho, ainda em busca de vingança, terá de enfrentar não apenas o seu inimigo figadal, mas também outros demónios surgidos de um velho livro… 

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Próximo álbum de Michel Vaillant em Novembro

 


Na sexta-feira foi revelada a capa e o título do próximo álbum de Michel Vaillant, o décimo da nova temporada. A capa do álbum "Pikes Peak" é da autoria de Vincent Dutreil, que participa novamente em mais uma aventura com Denis Lapière e Benjamin Benéteau.

O lançamento está previsto para 3 de Novembro.

terça-feira, 8 de junho de 2021

Cartoon Xira 2021 já abriu as portas!

 


A 22.ª edição da Cartoon Xira já abriu as portas, a 6 de Junho, e estará patente no Celeiro da Patriarcal, em Vila Franca de Xira, até dia 29 de Agosto, com a retrospetiva dos melhores cartoons publicados no ano de 2020. Esta que é uma das maiores e mais prestigiadas exposições dedicadas ao Cartoon no nosso País, apresenta duas mostras expositivas “Cartoons do Ano 2020” e “Rosstoons”, de Ross Thomson. 

“Cartoons do Ano 2020” reúne trabalhos de alguns dos maiores cartoonistas portugueses da atualidade. Na edição de 2020, voltamos a contar com a presença de dois cartoonistas vila-franquenses, António Antunes – que desde a primeira edição colabora com a Câmara Municipal e comissaria esta Exposição – e Vasco Gargalo, a que se juntam André Carrilho, António Maia, Rodrigo Matos, Henrique Monteiro, Cristiano Salgado, Cristina Sampaio, Nuno Saraiva e, pela primeira vez, o cartoonista João Fazenda.

“Rosstoons” é da autoria do escocês Ross Thomson, o convidado internacional desta que já é a 22.ª edição da Cartoon Xira. Ross Thomson conta com uma longa e prestigiada carreira, os seus desenhos cheios de cor e bom humor prometem estimular o pensamento crítico e leve de quem visite esta mostra expositiva. Nos últimos anos tem vindo a participar em concursos de cartoons, tendo conquistado mais de 100 prémios e distinções.

A par destas duas exposições, a Cartoon Xira este ano conta com uma terceira mostra. Trata-se da exposição "Europa à Vista?", que decorre na Fábrica das Palavras, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (UE) em 2021.

Esta mostra expositiva é composta por 100 desenhos do cartoonista grego Michael Kountouris, que marca a actualidade e a reflexão sobre a União Europeia dos nossos dias, tendo em conta, temas como o Brexit, a imigração, as alterações climáticas e da economia, para além da necessidade premente de definir e implementar estratégias consertadas de combate à pandemia de Covid-19.

Michael Kountouris já conta com uma carreira com mais de 30 anos, tendo sido muitas vezes premiado através dos desenhos humorísticos.



segunda-feira, 7 de junho de 2021

Novela Gráfica "Quem Matou Ihor", no Expresso


Na mais recente revista E do jornal Expresso, publicada a 4 de Junho, foi publicada a novela gráfica "Quem Matou Ihor", que "adensa o mistério sobre a morte de um emigrante ucraniano às mãos do SEF".

Os desenhos são de Nuno Saraiva e os textos de Rui Gustavo, jornalista que acompanhou desde o início o julgamento deste caso.

Nuno Saraiva mostrou na sua página do Facebook, algumas das imagens do interior.





domingo, 6 de junho de 2021

Exposições do CPBD na Amadora, fechadas no horário de visita

 


Fomos ontem (sábado às 16h40) ao Clube Português de Banda Desenhada, visitar as exposições que inauguraram na semana passada. Só que, viemos de lá sem nada para mostrar. Lamentavelmente estava de portas fechadas, sem qualquer aviso de não cumprir o horário anunciado: de 29 de Maio a 14 de Agosto, todos os sábados, entre as 16 e as 19 horas.  

No entanto, não desistimos e vamos tentar voltar!



BDs da estante - 428

 


Uma série de assassinatos macabros levam Batman a desenterrar nos seus arquivos um caso similar, despertando assim velhos fantasmas que pensava enterrados. E tal como vem escrito na contra-capa: “Quando os portões do Inferno se abrirem para sempre, chegará a hora da Colheita Final…”.

Um livro da autoria de George Pratt e uma edição da Devir de 2008.

sábado, 5 de junho de 2021

Já são conhecidos os três finalistas para o Grande Prémio de Angoulême


Desde 2014 que o Grande Prémio de Angoulême é atribuído a um argumentista ou desenhador, que é nomeado e votado pelos seus pares, ou seja, uma comunidade de autoras e autores profissionais de banda desenhada.

Este ano, já decorreu a primeira selecção, que decorreu de 27 de Maio a 1 de Junho e de onde saíram três finalistas:

Pénélope Bagieu (França), Catherine Meurisse (França e Chris Ware (Estados Unidos) são os três escolhidos e de 8 a 14 de Junho decorrerá a votação final. O vencedor, escolhidos entre estes três nomes, será anunciado a 23 de Junho.

Entre os nomeados, conhecemos melhor o trabalho de Pénélope Bagieu, cuja obra "As Destemidas", que já venceu em 2019 o Prémio Eisner, foi editada em Portugal pela Levoir, em 2018, na colecção "Novelas Gráficas".

Chris Ware também é já um autor muito premiado e se não conhecem a sua obra, de certeza reconhecerão o seu estilo nas capas da revista New Yorker (desde 1999 já desenhou 25 capas da famosa revista).

Catherine Meurisse, depois de vários anos ligada a diversos jornais (trabalhou no Charlie Hebdo), após o atentado naquele jornal, dedicou-se em exclusivo à banda desenhada.


sexta-feira, 4 de junho de 2021

Leitura de Orwell - uma extraordinária biografia em banda desenhada

 


Que grande livro de banda desenhada! Grande no sentido de extraordinário. Para quem é amante da nona arte este é mesmo um livro imperdível.

Tivemos o grato prazer de ler o álbum este feriado e ficámos rendidos. Não é em vão que a editora Ala dos Livros, a descreve como obra prodigiosa. É que é mesmo!

Trata-se da biografia de George Orwell, com argumento de Pierre Christin (conhecido autor da mítica série Valérian) e desenho de Sébastien Verdier. Como se não bastassem estes ingredientes, o livro conta ainda com a participação de outros autores como Juanjo Guarnido, Butch, André Juilard, Enki Bilal, Manu Larcenet e Olivier Balez.

Recentemente saíram tantas adaptações e derivações das suas obras em banda desenhada, que é mais do que oportuno lermos agora a biografia de George Orwell, um dos escritores mais célebres do século XX. Tornou-se famoso graças a obras como O Triunfo dos Porcos ou 1984 (que escreveu em 1948 e para o título trocou os dois últimos números), onde antecipou há mais de 70 anos, o seu profético Big Brother, o controlo dos media, a Internet e a manipulação dos dados pessoais. 

Porém, se escreveu livros incríveis, a sua vida também dava um livro, dada as suas múltiplas facetas. E é a sua vida fora do comum que conhecemos neste livro. Christin e Verdier mostram-nos os aspectos mais marcantes da vida do escritor, que estudou em Etron, foi polícia na Birmânia, jornalista, anti estalinista e que combateu na Guerra Civil Espanhola ao lado das milícias de POUM.

O seu percurso de vida influenciou a sua obra literária e vamos tendo nota disso mesmo no decorrer das páginas. Da infância até à sua morte lemos de um fôlego a sua história incrível, desde a altura em que ainda não tinha adoptado o nome pelo qual ficou conhecido (o seu verdadeiro nome era Eric Blair). Ficamos a conhecer também um pouco do seu lado pessoal, que envolve a mulher da sua vida e o seu filho adoptivo.

Do ponto de vista visual, o livro é igualmente irrepreensível. A maioria das páginas são a perto e branco, com exímios desenhos de Verdier, pontuadas aqui e ali com cores para realçar certas imagens, e a participação dos nomes que indicámos acima também se distinguem pela cor e pelo estilo próprio, criando pausas na narrativa, de modo a introduzirem as grandes obras que marcaram a trajetória de Orwell. A história é complementada com textos do próprio escritor (que se distinguem no livro pelo tipo de letra mecanuscrita).

Por tudo isto, voltamos a repetir: que grande livro de banda desenhada!